Acessos ao Blog

terça-feira, 29 de março de 2011

Tartaruga, monte um Aquaterrário!

Tartaruga, monte um Aquaterrário!
Imprimir
E-mail
Escrito por Barbara Janaina   
Seg, 03 de Abril de 2006 13:11
As tartarugas são animais muito sensíveis e, ao contrario do que muitas pessoas afirmam, se estressam com muita facilidade. Assim, é muito importante que a tartaruga tenha uma casa própria para ela, que tenha o seu território formado e que se sinta confortável no mesmo.
O lugar em que vão permanecer é muito importante, e, apesar de não brigarem entre si as tartarugas exigem que haja espaço suficiente para todos os animais ou tentarão escapar de sua casa providenciada, isto pode ser muito bem observado quando estes animais ficam rodeando todo o aquário ou tentando literalmente escalar as paredes (comportamento que podem apresentar também em conjunto subindo umas nas outras).
Onde Colocar o Aquaterrário
A primeira coisa com a qual se preocupar é onde ficará o aquário de sua tartaruga. Ele deve ficar num local iluminado, mas não necessariamente em frente a janela, pois neste caso receberia incidência direta da luz do sol, filtrada pela janela e pelo vidro do aquário e faria com que o aquário esquentasse em demasia, proporcionando também o surgimento de algas que podem ser tóxicas para algumas tartarugas aquáticas. As Tartarugas apesar de não possuírem ouvido externo formado, possuem um ouvido interno, tal ouvido faz com que sejam muito sensíveis ao som, portanto evite colocá-las junto a equipamentos como televisores e aparelhos de som.
O último fator, mas não o menos importante com o qual se preocupar são as correntes de ar. Apesar de animais mantidos em aquários não serem tão susceptíveis as correntes de ar quanto animais criados em caixas de plástico evite colocar sua tartaruga em locais onde possam pegar tais correntes (como próximo a janelas abertas), pois tartarugas são animais sensíveis. Uma corrente de ar associada a uma falta de fonte natural de aquecimento pode vir a causar um resfriado com certa facilidade e o quadro evoluir para uma pneumonia.
Observe sempre seu animal. Animais estressados tendem a adoecer com certa facilidade, se a tartaruga estiver satisfeita com seu ambiente, passará a maior parte do tempo dentro da água, não tentará escapar, após se alimentar estará sempre tranqüila e quando perceber sua presença irá com certeza tentar chamar sua atenção no intuito de ganhar um mimo.
Área Mínima
O espaço mínimo para uma tartaruga deve conter cinco vezes a dimensão de sua carapaça e uma vez e meia a altura de seu casco em água, isto permite que elas vivam confortavelmente, caso você possua mais de um animal estas medidas devem ser aumentadas de acordo com o número de animais que você possui. Seu aquaterrário deve ser montado tendo em vista o tamanho do animal adulto, mudanças de ambiente constantes pode estressar seu animal além de encarecerem a manutenção.
Área Seca
O aquário deve possuir uma área seca, preferencialmente de areia ou cascalho fino, alguns criadores discordam deste fato visto que as tartarugas são animais muito curiosos e podem vir a comer o cascalho ou a areia podendo vir a contrair problemas intestinais, entretanto, algumas espécies de tartarugas colocam ovos mesmo sem haver cruzado, e caso não haja um lugar correto para que ela possa depositar seus ovos ela pode vir a ficar doente. A área seca deve ficar completamente fora da água, permitindo se possível que o animal se esquente através de lâmpadas especiais para répteis já disponíveis no Brasil.
Caso haja área disponível pode-se também colocar uma caverna para proporcionar um esconderijo para o seu animal.
A área seca não precisa ser muito grande, mas deve permitir que o animal fique completamente fora da água e em segurança, lembre que tartarugas são animais muito fortes e curiosos e podem deslocar pedras grandes com certa facilidade depois de uma certa idade.
Iluminação
As tartarugas precisam principalmente de calor e luz do sol para se desenvolverem corretamente, isso faz com que estes animais sejam encontrados especialmente em regiões tropicais e subtropicais. Por isso, iluminação passa a ser um aspecto muito importante na montagem do aquaterrário.
O ideal no que se diz respeito a tartarugas aquáticas é que a fonte de iluminação e aquecimento seja o sol, entretanto, nem sempre isto é possível. Hoje em dia já podem ser encontradas no Brasil lâmpadas de aquecimento especiais para répteis e lâmpadas de raios UV, a espécie de sua tartaruga deve ser observada para constatar a necessidade ou não de lâmpadas especiais. Caso seja necessária a colocação de uma lâmpada de aquecimento ou de raios UV, você sempre deve ter em mente que tais lâmpadas devem ficar a cerca de 30 cm de distância e iluminar diretamente o animal não podendo ser filtradas por qualquer tipo de material, mesmo vidro.

Um temporizador pode ser utilizado para assegurar a correta quantidade de iluminação diária pertinente a cada tipo de animal (na maioria dos casos cerca de 20 minutos diários). Mesmo com toda a iluminação, alguns criadores ainda sugerem que você leve seu animal para tomar sol uma ou duas vezes por semana, conforme seja possível.

Plantas
Um aquário para tartarugas dificilmente possuirá plantas por muito tempo, isso ocorre porque as tartarugas tendem a “fuçar” muito o fundo do aquário tornando quase impossível a tarefa de manter plantas num aqua terrário. Entretanto, se você pretende montar um pequeno lago para sua tartaruga, a escolha das plantas pode ser uma tarefa divertida, as únicas plantas que devem ser evitadas a todo custo são as plantas tóxicas, e fora estas, o alface também não é recomendado por soltar o intestino dos animais.

Plantas aquáticas como a Vallisneria sp. são as preferidas pelas tartarugas, elas tendem a devorá-las antes de todas as outras Na ordem decrescente de plantas aquáticas preferidas estão a Vallisneria sp., Naja guadalupensis, Hydrilla sp., Potamogeton nodosus e Myriophyllum spicatum. No caso de você desejar manter plantas terrestres na parte seca do aquaterrário ou lago existem varias opções saudáveis e bonitas ao olhar, uma destas é o broto de batata (inglesa ou doce), que é facilmente plantado, outra opção igualmente boa é o hibisco ou papoula, você também pode plantar diversas verduras, inclusive a couve que é muito apreciada.
Lembre que as plantas são importantes na dieta de tartarugas de qualquer tipo, elas possuem vitamina A necessária para a correta formação da carapaça e para evitar problemas oculares. Não se engane se sua tartaruga logo que chegar não demonstrar interesse por plantas, animais jovens tem preferência por carnes (boi e frango), o gosto pelas plantas vem com a idade, e, em alguns paises como os Estados Unidos, algumas espécies de tartarugas são muito utilizadas como controle de plantas em lagos vindo a consumir grandes quantidades em muito pouco tempo.

Lembre-se que mesmo que você não possua ou não deseje possuir plantas na casa de sua tartaruga é importante fornecê-las ao seu animal.
Filtragem
As tartarugas geralmente vivem em lagos, lagos estes repletos de peixes, mas com pouca movimentação de água (não há correnteza forte como os rios).
Os filtros existentes hoje no mercado geralmente movimentam muito a água, isso atrapalha um pouco as tartarugas que gostam muito de ficar boiando em determinadas horas do dia, esta movimentação da água não permite que elas efetuem este costume, mas a verdade é que a movimentação da água favorece sua oxigenação e limpeza, então como manter o equilíbrio?
Alguns filtros para aquaterrários existentes no mercado (Duetto internal filter, Tetra Whisper in tank) possuem na sua saída de água adaptadores para que a água ao invés de entrar diretamente no aquário seja jogada neste através de uma mangueira (é o caso do Duetto). A utilização desta mangueira faz com que a água não fique tão movimentada ficando mais agradável para os animais. Se o seu filtro não possui esta adaptação, você pode colocar uma pedra no lugar da saída de água para que esta não saia com tanta força ou não atinja a água com tanto estardalhaço, evitando tanta correnteza no aquário.
Outra coisa que preocupa alguns criadores é o fato de que às vezes o barulho da água caindo incomoda os animais, a sugestão é colocar a mangueira mais para dentro da água para que o seu barulho não incomode tanto.Quanto à quantidade de filtragem necessária é só calcular a quantidade de cinco vezes o volume do aquário, é quanto o filtro deve filtrar por hora para uma filtragem eficiente, mas não se engane, mesmo com um filtro muito potente é bastante provável que você ainda tenha de limpar o aquário de sua amiguinha umas duas vezes por semana.
Outro fator preocupante em relação à filtragem do aquário de tartarugas é a amônia. Quelônios aquáticos produzem dez vezes mais amônia que peixes, e esta amônia pode causar uma série de doenças para eles. A solução neste caso é utilizar um removedor de amônia, existem muitos disponíveis no mercado, mas você deve preferir um que possa ser colocado no filtro como elemento a mais de limpeza.
A água do aquário de tartarugas também tende a ficar amarelada, tal fator ocorre em virtude da decomposição da albumina produzida pelos animais, esta coloração poderá ser amenizada através da utilização de carvão ativado que deverá funcionar também como removedor de odores provenientes do aquário.

Apesar de tantos elementos de limpeza e mesmo que você possua um filtro potente, as trocas parciais não devem ser interrompidas, a limpeza do aquário irá garantir uma vida longa e confortável a seu animal.
Esconderijos, Rochas etc
Às vezes as tartarugas gostam muito de se esconder, seja para brincar ou para ficarem sossegadas sem que ninguém as incomode. É importante fazer um esconderijo para sua tartaruga na parte aquática, este esconderijo pode ser feito com um pedaço de telha colocado no fundo do aquário, o importante é permitir que o animal consiga esticar a cabeça para fora da água de dentro dele e que ele caiba lá com folga, pois caso fique preso submerso irá morrer afogado.
As tartarugas são animais espertos e se divertem com coisas às vezes inimagináveis, podendo vir a assistir televisão ao lado do dono, entretanto, como são muito curiosas devemos ter cuidado com o que colocar como divertimento no aquário. Observe se há lugares onde sua tartaruga possa vir a ficar presa, caso isso aconteça ela pode vir a mover objetos enormes e acabar por causar um acidente no aquário. Outro cuidado que devemos ter é com objetos pontiagudos ou grossos (como uma lixa) que possam vir a causar algum ferimento ou mesmo arranhar o seu casco. Apesar de ferimentos cicatrizarem bem, podem ser a porta de entrada para fungos e bactérias e estes causarem a morte de sua amiguinha, principalmente em casos em que a filtragem do seu aqua terrário não esteja sendo realizada de maneira eficiente.     
Finalizando, observe sempre seu animal. Uma tartaruga em perfeitas condições possui sempre olhos brilhantes e sem secreções, sua carapaça está sempre firme e intacta, o seu nariz está sempre seco, demonstra interesse pela comida e caso não seja acostumada se defende quando é carregada.

O Tigre d'Água Brasileiro

O Tigre d'Água Brasileiro
Ordem: Testudines
Família: Emydidae
Nome popular: Tigre d'Água
Nome científico: Trachemys dorbignyiDistribuição geográfica: Rio Grande do Sul no Brasil, Uruguai e nordeste da Argentina
Habitat: pântanos, banhados, lagos, riachos e rios
Hábitos alimentares: onívoro (come de tudo)
Reprodução: desova entre 1 e 18 ovos por postura, que eclodem apos 60 a 120 dias de Período de vida: aproximadamente 30 anos
Tamanho adulta: aproximadamente 15 a 25cm em 5 anos.
O Tigre d'Água é um réptil da família dos Quelônios, animais de sangue frio que necessitam do sol para se aquecer, e vivem em regiões de lagos ou rios de águas lentas. Na natureza, pode ser visto sozinho ou em grandes grupos, mesmo fora do período de acasalamento, que acontece entre Abril e Julho. A desova estende-se de Agosto a Janeiro, e é a própria fêmea que constrói buracos na terra para depositar seus ovos.
Pode ser mantido sozinho ou em grupos de dois ou mais indivíduos, dependendo do tamanho de seu recinto (aqua-terrário).
O Tigre d'Água atrai as pessoas pela sua característica mista de viver nadando dentro de um aquário com plataforma e passar instantes fora da água ou se apoiando em alguma coisa para se aquecer ao sol ou iluminação artificial. As crianças se fascinam, pois podem alimentá-lo, assim como manuseá-lo com boa tolerância.
Deve ser mantido em aquários ou tanques com água. É importante promover-lhe uma área seca, com rampa para que possa sair da água e se aquecer ao sol ou em lâmpadas aquecedoras específicas para répteis.
Como manter seu Tigre d'Água
São animais de fácil manutenção, mas necessitam de alguns cuidados especiais:
O primeiro passo é escolher um aquário que tenha uma parte seca, que pode ser construída com cascalho comum para aquários, em forma de rampa, chamado de aqua-terrário ou simplemente tartarugueira. Este animal alimenta-se na água, assim, deve haver água limpa para que possa beber, nadar e alimentar-se.
É importante prover para as tartarugas uma fonte de iluminação que emita raios ultravioletas, importantes para a metabolização do cálcio e estruturação de sua carapaça óssea. Se não puder colocá-la no sol, pela manhã com frequência, obtenha uma luminária fluorescente com lâmpada própria como as Repti Glo 5.0.
Evite pedras ou objetos pontiagudos que possam causar ferimentos.
Procure manter seu animal em água na temperatura entre 25º e 28º C (no caso das filhotes e até seus 3 ou 5 anos de vida, após isso já podem ser acostumadas a um ambiente não climatizado, a partir da Primavera). Para isso você pode utilizar um termômetro de fita LCD (que fica colado pelo lado de fora e não quebra) e um termostato com aquecedor.
É fundamental que a água esteja sempre limpa. Por isso, recomendamos o uso dos filtros internos Whisper In-tank da Tetra ou os Elite Filter da Hagen (modelos externos também podem ser utilizados, porém seu aqua-terrário precisa ter um recorte no vidro lateral para que o filtro fique numa posição correta, mais próximo do nível de água), cujos tamanhos são adequados para uma capacidade de filtragem de água entre 10 e 150 litros. Entre em contato para saber o tamanho ideal para seu aquário. É importante trocar o refil dos filtros In-tank a cada 15 dias, para manter a água limpa, pois o refil retém partículas de sujeira e retira da água a matéria orgânica, que causa mal cheiro.
Além de um bom filtro, é fundamental uma alimentação de boa qualidade e na quantidade certa. Existem muitas marcas de rações no mercado, com diferentes níveis de qualidade.
As tartarugas provindas de nossa loja são alimentadas desde sua fase de desenvolvimento e quarentena com a o ração Tetra ReptoMin, pois possui ingredientes da mais alta qualidade que suprem todas as necessidades nutricionais exigidas pelas tartarugas aquáticas na fase inicial de seu crescimento.
Com sua alta digestibilidade há maior absorção dos nutrientes, evitando desperdícios, o que manterá a água limpa por mais tempo. A dieta inicial da tartaruga deve ser ReptoMin, mas na fase juvenil e adulta recomenda-se a complementação com um alimento desenvolvido especialmente para esta fase: Tetra ReptoMin Select-a-Food, pois trata-se de um alimento que possui quatro câmaras: duas com a ração diária ReptoMin, uma com Gammarus (baby shrimp) e outra com Krill (ocean plankton).
Recomendamos começar com 3 a 5 bastões para cada tartaruguinha por dia, entre duas ou três vezes por semana.
Aumente a quantidade de alimento à medida que a tartaruga cresce. Alimente-a na água e não deixe sobrar ração. É importante colocar sua tartaruga exposta ao sol, o que ajuda na absorção do cálcio, garantindo um perfeito desenvolvimento dos ossos e do casco. Evite horários de sol mais forte e sempre deixe uma opção de sombra. Calor ou frio intensos podem causar a morte dos filhotes.
Evite manuseá-las em demasia, o que gera estresse. Acompanhe de perto o contato de crianças pequenas com o animal, pois estas podem apertá-las ou deixá-las cair, o que pode causar ferimentos ou danos no casco.
Como vimos, a qualidade da água é importante, pois as tartarugas alimentam-se na água e bebem da mesma. Por isso, recomenda-se uma troca parcial de água a cada 15 dias, em 50% do total para mantê-la com qualidade e remover o excesso de detritos que o filtro possa eventualmente não remover.
Quando for adicionar nova água, use sempre Tetra AquaSafe, para remover especialmente o cloro, que pode causar danos à pele, olhos e casco das tartarugas, bem como causar problemas intestinais.
Tartarugas são animais limpos, mesmo assim, devemos lavar bem as mãos após manuseá-las ou cuidar de seus aquários. Para prevenir problemas de saúde nas pessoas e nas tartarugas, recomendamos o uso de Tetra ReptoGuard. A Tetra desenvolveu este produto que dissolve-se lentamente na água, liberando elementos que previnem o desenvolvimento de bactérias nocivas.
ReptoGuard é um bloco branco em formato de tartaruga, que previne principalmente a Salmonela. Jogue um bloco na água, sua proteção dura de 30 a 45 dias.
Outro produto que pode lhe ajudar muito a manter mais limpa a água de sua tartaruga é um biodegradador chamado Turtle Clean, que dissolve os detritos facilitando a filtragem da água por um filtro existente na tartarugueira.
Seu animal ficará adulto com o passar do tempo e muito maior (pode chegar a 25 ou 30cm de comprimento). Então cuide para você ter espaço disponível no futuro.
Verifique aqui estoque e preço.

Quanto à espécie invasora:
Tartarugas da espécie Trachemys scripta elegans, ou Tigre d'Água americano são ou foram comercializadas ilegalmente em nosso país, trazendo sérios danos à nossa fauna e quando soltas na natureza competem por território e alimento com espécies locais, disseminando doenças e gerando híbridos através do cruzamento entre espécies.
Trachemys dorbignyi
(Tigre d'Água Nacional)
Trachemys scripta elegans
(Tigre d'Água Importada)
A principal característica da tartaruga americana (ilegal) são suas “orelhas vermelhas”, ou seja, atrás dos olhos notam-se claramente duas manchas vermelhas, enquanto na espécie nacional as manchas são amarelas. Além disso, como podemos notar nas fotos abaixo, os desenhos no casco são diferenciados e a tartaruga nacional possui cores mais intensas.
Trachemys dorbignyi
(Tigre d'Água Nacional)
Trachemys scripta elegans
(Tigre d'Água Importada)
ILEGAL
Legislação
A pessoa física que intencione comprar animais da fauna silvestre brasileira de criadouro comercial ou comerciante registrado no IBAMA, com objetivo de mantê-los como animais de estimação não necessita registro junto ao IBAMA, conforme previsto no art. 13 da Portaria n. 117/97.  
As tartarugas Tigre d'Água comercializadas pela Aquabetta (nosso registro no IBAMA é de n. 470.528), são legalizadas e adquiridas de criadouro registrado no IBAMA sob n. 268.286, Fazenda Reserva Romanetto.

terça-feira, 15 de março de 2011

O POPULAR DIAMANTE MANDARIM

O POPULAR DIAMANTE MANDARIM

Fácil de ser criado, o Diamante Mandarim é apreciado em todo o mundo. Um de seus atrativos é a imensa variedade de desenhos na plumagem.

Com seu bico curto e riqueza visual, este pássaro é um dos mais populares praticamente no mundo inteiro. Razões para isto há de sobra: ele procria facilmente e muitas vezes ao ano, o que faz com que até os mais belos exemplares alcancem preços em conta (30 dólares para um excelente e de 1 a 2 dólares os mais comuns); se adapta a qualquer meio, em climas frios ou quentes, em pequenos ou grandes espaços e além disso, não tem nenhuma exigência extraordinária. Enfim, trata-se de um pássaro fácil de se ter, indicado, portanto, também para principiantes na criação de aves.
Um dos prazeres de criá-lo é que através de acasalamentos programados você pode obter Mandarins de centenas de cores das mais diferentes, distribuídas em belos e harmônicos desenhos sobre a plumagem.
Existem 8 cores básicas e mais 400 diferentes, chamadas de mutações, que foram obtidas dessas 8 (vide box). Para conseguir pássaros de cores diferentes, você deve sempre cruzar um de cor básica, por exemplo, como o Cinza, com um mutante como o Peito Negro. Na primeira ninhada vão nascer todos Cinzas, mas portadores do gene Peito Negro. Daí, você pega um desses filhotes portadores desse gene e cruza com outro Peito Negro. Nascerão Cinzas e também uma mescla dos dois, ou seja, Cinzas com Peitos Negros. Para perpetuar essa cor nova, você precisa cruzá-la com Peitos Negros ou portadores do gene Peito Negro e depois, com o tempo, com exemplares da mesma cor.

FICHA

Cores: o mais comum é o Cinza ou Zebra (corpo cinza-amarronzado com branco, listras negras na cauda e, só no macho, listras pretas e brancas na garganta, marcações alaranjadas nos lados da face e pintinhas brancas nos flancos); o Canela, Prateado, Ágata (Canela com bordas das penas grandes em branco), Mascarado (bege bem claro), Dorso Pálido (Cinza-claro), o Branco e o Albino (olhos vermelhos). Exemplos de mutações: com tapete e bico amarelo (o original é vermelho), Cinza de Bochechas Negras ( o mais raro); Peito Negro; Peito Laranja; Bochecha Castanha; Pheo (creme claro com ponta das penas em tom mais forte), Creme; Pingüim (capa preta com o corpo branco ou prateada com branco etc) etc.
Instalações: Sempre com malha fina. Gaiola de metal, ideal para até 1 casal e seus filhotes - 40cm de altura x 60 de comprimento x 30 de profundidade. Gaiola criadeira de metal para até 30 filhotes com 12 dias até 18 meses, quando começam a acasalar - 35cm altura x 1,40 de comprimento x 60 de profundidade. Viveiro para até 40 casais com armação de ferro, os 4 lados fechados e teto todo coberto com telhas de barro e algumas de vidro, com 2 m de largura x 2 de comprimento e com maior número de ninhos do que de casais para não haver disputa. Poleiros de várias espessuras para exercitar os dedos.
Higiene: o recomendado aos pássaros em geral. Semanalmente lavar gaiola, comedouros e bebedouros com solução de 201 de água para 100 ml de cloro. Os comedouros e bebedouros devem ficar imersos no cloro durante cerca de 4 dias (providencie substitutos). Depois lavá-los com água corrente e deixar secar ao natural. Mensalmente, raspar com uma faquinha os poleiros, lavá-los com sabão e escova e secá-los bem ao sol ou no forno para não ficarem úmidos , evitando o aparecimento de fungos.
Alimentação: diariamente, 3 partes de painço, 1 de alpiste, verduras (exceto alface), sendo as preferidas almeirão, couve, escarola e espinafre (colocar uma folha entrelaçada na grade); farinhada - para até 12 pássaros, sendo 1 colher (café) de farinhada por pássaro e na época de procriação 1 colher (sobremesa) - 1 ovo cozido, 10 colheres (sopa) de farinha de rosca, 8 a 10 gotas de óleo de fígado de bacalhau. Suplementação: Manter sempre na gaiola para cada pássaro - 1 colher (sopa) de areia branca (em aviculturas), 1 colher (café) de sais minerais e 1 colher (café) de farinha de ostra.
Reprodução: começa aos 9 meses. Identifica-se facilmente o macho da fêmea no Mandarim Cinza (videm item cores); nas outras variedades é melhor observar - só o macho canta e o vermelho do bico da fêmea é mais pálido. Põe de 4 a 6 ovos que eclodem em cerca de 12 dias. Após cerca de 2 semanas já se alimentam sozinhos e aos 18 dias começam a voar. Os jovens são identificados pelo bico marrom-escuro quase negro. Ninho externo de caixa de madeira ou cestinha de vime de cerca de 14 cm de altura e 12 de diâmetro (colocada inclinada a 50 graus, para não cair os ovos, e amarrada nas grades da gaiola com arame). Material: capins em geral, sendo preferível o Barba de Bode e a Grama Japonesa. Colocar no fundo da gaiola para o pássaro pegar.
Saúde: ave rústica, não apresentado nenhuma doença em particular. Em situações adversas e de estresse, costuma arrancar penas do corpo com freqüência, o que faz também na falta de material para fazer o ninho ou em gaiolas superpovoadas.
Vida média: aproximadamente 8 anos.
Reportagem e texto: Carmen Olivieri. Consultoria: Ivo Roveri e Francisco Ferreira Aparício, criadores de pássaros.
Foto: Fernando Torres de Andrade
Prop: Gilberto Antonio Ramos Lopes

Vinagre de Cidra

Vinagre de Cidra
Mensagem  Jose Fernando em Dom 17 Jan 2010, 22:06
Vinagre de Cidra

Nos últimos anos alguns criadores começaram a administrar vinagre de cidra às suas aves, na proporção de uma colher de sopa por litro de água.

Note-se que o vinagre de cidra não é nenhum medicamento nem um neutralizante dos antibióticos.

Fabrico e tratamentos

O vinagre de cidra é feito a partir de maçãs com elevado teor de acidez, ou seja , maçãs demasiado acidas para serem comidas normalmente.

O sumo é espremido numa centrifugadora, depois toda a frutose das maçãs é transformada em álcool, por fermentação em grandes Barris o que demora cerca de quatro semanas. A seguir a mistura tem de amadurecer durante mais seis meses antes de se transformar em cidra, que depois se transforma em vinagre. No vapor do sumo em fermentação e nas bolhas, as bactérias acéticas proliferam até estarem espalhadas por toda a cidra. Ao fim de algum tempo, o líquido resultante é o produto natural conhecido por Vinagre de Cidra (maçã).

O teor em ácido acético é cerca de 7 graus, normalmente diluído para cerca de 4,5 a 5 % durante o engarrafamento. Na maioria dos casos, adiciona-se dióxido de enxofre durante esta fase a fim de evitar que o vinagre crie bolor e oxide. Alguns fabricantes usam antes ácido ascórbico (vitamina C) que é de facto um aditivo mais saudável.

Composição do Vinagre de Cidra

Não é fácil apresentar uma descrição clara da composição real do vinagre de Cidra mas, são cientificamente reconhecidos alguns componentes activos dentro de uma combinação de ácido acético, compostos orgânicos e minerais, potássio, sódio, cálcio, fósforo, ferro, cobre, uma percentagem mínima de zinco, ácido ascórbico (vitamina C), ácido nicotínico (vitaminaB5), riboflavina (vitaminaB2), proteínas vegetais, cinzas inorgânicas e tanino.

Note-se que a proporção natural do tanino e fenol não é, provavelmente, muito diferente, dos ingredientes básicos usados pela indústria farmacêutica para produzir bactericidas.

Conclui-se então que o Vinagre de Cidra estimula o organismo das aves a produzir as suas próprias substâncias de defesa.

Os possíveis méritos do Vinagre de Cidra seriam, consequentemente, a reposição do equilíbrio de ácidos e bases no organismo.

Concluiu-se então que, como o Vinagre de Cidra contem pequenas quantidades de minerais estimulando assim a digestão. Minerais esses que são normalmente , absorvidos na Alimentação.

Por último, o papel do bio-regulador geral do Vinagre de Cidra não deve ser desprezado , uma vez que os testes realizados em animais revelaram resultados muito positivos.

Chegámos até ao ponto de o Vinagre de cidra começa gradualmente a ser recomendado para utilização Humana.

Sabendo que as galinhas crescem muito mais depressa se for misturada uma colher de Vinagre de Cidra na água de beber, porque é que o efeito não seria o mesmo nas nossas aves? Já agora foi também demonstrado que o uso do Vinagre de Cidra torna os ovos mais fortes.

Em resumo, pode dizer-se que a utilização do Vinagre de Cidra aumenta a resistência geral de todas as criaturas vivas.

Este artigo foi na sua maioria transcrito do livro:

ALIMENTAR PARA VENCER – PARTE II

Autor: André Cristiaens

Cumprimentos
Jose Fernando
 
Sim o modo de ser emprego é 1 x por semana, atenção o vinagre de cidra nao trata as doenças, ele simplesmente previne as doenças e torna as aves mais resistentes a apanhar tais doenças!
Cumprimentos....

______________________________________________________

Ricardo Magalhães

Re: Vinagre de Cidra

Mensagem  Skazi em Dom 14 Mar 2010, 22:18
boas concordo com a dosagem do sr. jose fernando!
O meu pai para os pombos correios dá uma colher de sopa pa litro de agua!
Para os exoticos e canarios e psitacideos tambem dou 1 colher de sopa pa litro e meio de agua!
1 abraço
_____________________________________________________________

Ricardo Magalhães
 
 
 

Reprodução de Diamantes Mandarins

Reprodução de Diamantes Mandarins



Começa aos 9 meses. Identifica-se facilmente o macho da fêmea no Mandarim Cinza (videm item mutações); nas outras variedades é melhor observar - só o macho canta e o vermelho do bico da fêmea é mais pálido. Põe de 4 a 6 ovos que eclodem em cerca de 12 dias. Após cerca de 2 semanas já se alimentam sozinhos e aos 18 dias começam a voar. Os jovens são identificados pelo bico castanho-escuro quase negro. Ninho externo de caixa de madeira ou cestinha de vime de cerca de 14 cm de altura e 12 de diâmetro (colocada inclinada a 50 graus, para não cair os ovos, e amarrada nas grades da gaiola com arame). Material: capins em geral, sendo preferível o Barba de Bode e a Grama Japonesa, algodão e desperdícios de panos.
Colocar no fundo da gaiola para o pássaro pegar.


NINHO
O mais confortável é uma caixa de madeira na janela da gaiola. O material base para o ninho é a fibra de coco, com a qual revestem todo o interior do ninho fazendo uma cúpula, e depois podemos acrescentar pelo de cabra para acolchoar a parte inferior do ninho. Normalmente é o macho que recolhe qualquer pelo ou coisa similar para a confecção do ninho, pelo que devemos ter cuidado de nunca deixar verduras, etc., já que levarão para o ninho sendo posteriormente um foco de infecções.




POSTA
A posta costuma ser de 4 e 6 ovos brancos (a quantidade depende de muitos fatores). A incubação costuma ser de 13 o 14 dias, dependendo da temperatura ambiente, qualidade dos pais na postura, etc.
Se criamos em inverno, é recomendável termos nossos exemplares dentro de casa, donde a temperatura não baixe os 10º, já que si baixa deste limite, podemos ter  problemas em general, tanto com as fêmea na hora da postura, como com exemplares adultos. É recomendado umas 12 - 14 horas de luz para estimular e melhorar a cria. Se  criarmos na primavera não teremos nenhum problema com temperaturas e horas de luz. Ao contrario que os canários, não se tira o macho, já que se necessitam dos dois para criar aos filhotes. Também se aconselha realizar 3 ou 4 postas como máximo ao ano, especialmente para melhorar a qualidade de vida dos pais, especialmente no desgaste de cálcio que acarreta cada posta para a fêmea.


CRÍA
Uma vez nascidos, a alimentação dos filhotes deve  ser a mesma comida da que disponibilizamos aos pais; mesmo assim, se coloca uma papa de cria para ajudar aos filhotes. Si temos possibilidade, podemos acrescentar algum complemento extra, como aminoácidos, etc., que em ocasiões vem já incluídos nas papas. Os filhotes costumam sair do ninho a partir do dia 18-20 de vida, mas isso pode variar. Normalmente, quanto mais tardem em sair, melhor.


SEPARAÇÃO
A separação dos filhotes deve ser como mínimo aos 40 dias de nascimento, que é quando os filhotes começam a trocar de cor o bico. É importante não separar de maneira rápida, porque podem que os filhotes não comam por si mesmo, e podemos ter alguma baixa. Temos que ter certeza que comam bem durante vários dias antes de separar-los dos pais. Nestes dias, é possível que o macho persiga aos filhotes jovens, causando algum machucado ou a morte, devido normalmente a que vão dar inicio a outra postura, temos que vigiá-los. Nestes casos, os jovens se introduzem dentro do ninho e a mãe e o pai os expulsa.

Fique a vontade para aprticipar do site. Caso você tenha material ou alguma dica sobre
reprodução entre em contato com a gente.

Este texto foi extraido do site de Vicente Ibañez - http://www.diamantemandarin.org/
Traduzido por Gonçalo Costa Pírez

Alimentação em geral de Diamantes Mandarim

Alimentação em geral de Diamantes Mandarim


Uma das duvidas mais repetidas pelos novatos é a seguinte; "Encontrei um pássaro que descobri ser um diamante mandarim", ou "ganhei de presente um casal de diamantes mandarins", e não tenho nem idéia de como cuidar destes animaizinhos, e claro, o primeiro que devemos saber é o que comem. Este tópico está enfocado a isso precisamente, aos requisitos que tem um diamante mandarim sem entrar em mais detalhes complicados. Resumindo, vou a loja de animais e ..... ¿que peço?.
Existem duas formas de alimentarmos nossos pássaros, são elas:

- Ração Extrusada;

- Mistura de sementes.

Ração Extrusada: Veterinários há muito tempo vem alertando sobre as doenças em aviários causadas por má nutrição. Pesquisas em nutrição de aves têm feito grandes avanços e, como resultado, fabricantes de comida para pássaros tem sido capazes de formular variadas e nutritivas rações. As vantagens de um produto extrusado incluem a ausência de pó no alimento e a exclusão do risco de contaminação por bactérias. Os extrusados são resultado de extensivas pesquisas e testes e são formulados para satisfazer todos as necessidades nutricionais dos pássaros. Muitos criadores tem registrado aumento do sucesso reprodutivo após terem trocado a alimentação habitual pela ração extrusada. Uma vez que os produtos tem validade de 1 a 2 anos você obtém sempre comida fresca da embalagem. Ao contrário de muitas sementes que são estocadas em pilhas que ficam ali estragando por muitos anos.

Para mais informações sobre as rações extrusadas, sugerimos a leitura da matéria publicada no
Alcon News 4 - Clique aqui


Mistura de Sementes: O primeiro a explicar é a mistura, a base de sua alimentação; em general na lojas de animais nós irão recomendar a mistura de periquito, que é a mais comum para eles. Mas temos umas pequenas indicações, que temos que ter em conta, melhorará enormemente a qualidade de vida de nossos mandarins. Não é que com esta mistura não estejam bem alimentados, mas se pegamos a mistura, e acrescentamos um 30 % de alpiste, além de completar a dieta, veremos que comem muito mais e melhor. Uma proporção que costumo recomendar, se tem a possibilidade de fazer mos, seria a seguinte:
  • 35 % Alpiste
  • 35 % Milho Alvo
  • 15 % Painço
  • 10 % Milho Japonês
  • 5 %   Linhaça
Além disso, podemos consultar todos os detalhes sobre estas e outras sementes que podem consumir os mandarins no tópico sementes.
O dito anteriormente nós serve para manter corretamente os nossos pássaros. Se decidirmos criar eles, não está nada mal ajudar-los um pouco. Os mandarins estão adaptados a sobreviver e criar seus filhotes com necessidades mínimas de proteínas, muito mais baixas que outros diamantes, inclusive podem criar seus filhotes somente com sementes. Contudo isto produz um desgaste algo maior, e normalmente os jovens diamantes serão de qualidade inferior, tamanho, etc. É por isso, que se recomenda por algo de papa de cria, bem caseira o bem comercial, para facilitar esta ajuda suplementaria. Só um detalhe a esta questão, a pasta não se coloca no momento que tenham filhotes, se não antes, para que os futuros papais se acostumem. Particularmente também gosto de colocar sempre,  porque tem tendência a engordar, especialmente se temos em uma gaiola pequena. Assim, quando colocarem o primeiro ovo, é um bom momento par começar a colocar a papa.
Uma fonte de cálcio, como areia, osso de siba, conchas de ostra e outros, devem estar sempre presentes na gaiola. Os diamantes irão terminar uma siba geralmente em pouco tempo além do que ajudamos também a regenerar o bico e evitamos em parte que se biquem uns aos outros procurando os canhões de penas ricas em cálcio, isso evita também problemas com os ovos (que os biquem, etc.). A mim, o que melhor tem funcionado, é o grit, que leva carvão vegetal, argila, etc.
Outro aspecto muito comentado nas consultas, é com respeito as frutas e verduras. Normalmente este pássaro não tem uma exigência grande em quanto a estes alimentos, mais é conveniente suplementar de tempo em tempo com eles. Praticamente podemos dar quase qualquer coisa, mais recomendamos verduras como a acelga (melhor que a alface típica de canários), pepino e similares, frutas como a maça (cuidado que constipa). Não obstante, não recomendamos colocar mais de uma ou duas vezes por semana, porque sempre tem mais inconveniente que vantagens.
Com todos esses conselhos, nossos mandarins, alimenticiamente falando, estarão cuidados 100%. Em muitas ocasiões se fala de dar vitaminas, etc., mas pessoalmente não acredito que seja necessário sempre que demos ao pássaro esta alimentação variada e este saudável. Estes suplementos, sim que podemos usar em ocasiões relacionadas com problemas que possam ter durante sua vida, mas não sistematicamente.


Rações Extrusadas
Alimentos extrusados para pássaros, assim como rações para cães e gatos, são formuladas para garantir toda a nutrição que os pássaros precisam, de maneira prática. Impede que o pássaro escolha somente a sua semente favorita deixando de lado boa parte da nutrição necessária.



Sementes
A variedade de sementes que ingerem  nossos mandarins  é grande;  aqui recomendamos as que consideramos melhores. Também podemos consultar os pros e  contras de cada uma dessas sementes.




Minerais
Como todos os pássaros em cativeiro, temos que disponibilizar una serie de minerais para completar sua alimentação.





Mixturas
Qual é a mistura ideal para nossos pássaros? No mercado existem vários tipos de misturas e das mais variadas; (proximamente disponível).




Frutas e Verduras
Por defeito ou por excesso, nossos mandarins são um tanto delicados nesse assunto. Consulta doses assim como recomendações de cada uma das frutas e verduras (proximamente disponível).




Insetos - Alimento Vivo
Durante a cria, alguns criadores modificam ligeiramente a dieta de alimentação, para dotar de mais vigor os filhotes; ainda podemos extrair  todo seu potencial genético.





Papa para filhotes
Todos os pros e contras destes complementos para utilizarmos em momentos pontuais.... ou não.
(proximamente disponível).

Este texto foi extraido do site de Vicente Ibañez - http://www.diamantemandarin.org/
Traduzido e modificado por Gonçalo Costa Pírez

Plano Alimentar para Papagaios

Retirado do site: http://arcadenoe.sapo.pt/forum/viewtopic.php?t=62336

Olá, aqui está um plano alimentar feito por mim para meu papagaio um, "Amazona aestiva", mas poderá ser utilizado para outros papagaios também. Apenas vejam se sua raça não necessita de outros alimentos.

Alimentação Papagaio

Segunda.
7:00h – Mistura de ervilhas e grão-de-bico.
12:00h – Ovo cozido.
17:00h - Salada de maça e manga.

Terça
7:00h – Servir milho verde, ou milho seco. (milho seco deve-se deixar de molho na noite anterior e servir de manha)
12:00 – Papa de farinha de ovos com papa de maça.
17:00h – Papa de banana com ração “Alcon Psita Sticks” triturada.

Quarta
7:00h – Mistura de ervilhas e lentilhas.
12:00 – Salada de maça e manga.
17:00h – Papa de maça e mamão com ração “Alcon Psita Sticks” triturada.

Quinta
7:00h – Papa de cenoura e farinha de ovos.
12:00 – Mistura de sementes para papagaios.
17:00h –Salada de mamão e kiwi.

Sexta
7:00h – Servir milho verde, ou milho seco. milho seco deve-se deixar de molho na noite anterior e servir de manha)
12:00 – Papa de farinha de ovos e banana.
17:00h - Mistura de lentilha, feijão verde e grão-de-bico.

Sábado
7:00h –. Papa de banana com sementes de melancia, melão mamão e pepino, trituradas.
12:00 - Mistura de feijão frade e grão-de-bico.
17:00h - Papa de banana com ração “Alcon Psita Sticks” triturada.

Domingo
7:00h – Servir milho verde, ou milho seco. (milho seco deve-se deixar de molho na noite anterior e servir de manha)
12:00 - Mistura de lentilhas e ervilhas.
17:00h - Salada de kiwi e laranja.

______________________________________________________________________________

Algumas das frutas que esta presente no plano alimentar poderá ser substituidas por outras, assim também as sementes.

Poderá também ser servido substituindo algo do plano por brócolis, pepino, rabanete, berinjela, abobrinha entre outros.

Como um pequeno lanche, pode-se oferecer:
Nozes, amendoins, poucas sementes de girassol.

Uma vez por semana pode-se servir um cubinho de queijo branco sem sal para ajudar no funcionamento intestinal. Retirar logo depois para não estragar.

É necessário o fornecimento de alimentos mais duros eventualmente para que a ave possa exercitar o bico.


Uma ou duas vezes por semana poderá servir a seu papagaio ração para cães, ela contém bons nutrientes e nao faz mal algun.

Caso seu papagaio coma apenas DUAS vezes ao dia, melhor ainda pois você retira um horario, e assim terá mais diversidade pra ele, eu por enquanto faço assim até chegar a alimenta-lo apenas DUAS vezes ao dia.

Os grão citados deverão ficar de molho na agua na noite anterior, pra servir de manha, o milho seco talvez seja necessario cozer por 20 minutos pois talves somente deixando de molho nao amoleça.

Espero que avaliem bem este tópico.

Abraço

Papagaios

PapagaiosSaiba mais sobre eles
"Você é responsável pela saúde e bem-estar da sua ave. Trate-a com carinho e responsabilidade."
Alimentação em Cativeiro
O que os papagaios comem em cativeiro? Essa é uma dúvida comum à maioria das pessoas que mantêm aves em residências. A alimentação a ser fornecida deve ser balanceada nutricionalmente para permitir uma vida saudável e longa à ave . O termo dieta aqui utilizado refere-se à soma de alimentos e nutrientes que formam a alimentação de uma ave. Portanto, não tem nada a haver com aquele regime alimentar elaborado para o emagrecimento ("fazer uma dieta").

É muito comum encontrar pessoas que fornecem às suas aves café, pão, fubá, sementes de girassol, doces ou somente frutas. Não é preciso ser um especialista para saber que essa alimentação é incorreta e trará sérios prejuízos à saúde da pobre ave de estimação.

Infelizmente, grande parte das aves tratada em clínicas veterinária apresenta alguma patologia decorrente da desnutrição. Podemos citar as doenças respiratórias e renais decorrentes da hipovitaminose-A (deficiência de vitamina A), o raquitismo (em decorrência da falta de cálcio e vitamina D), mau empenamento, emagrecimento, obesidade, distúrbios e tumores hepáticos, distocia, infecções, parasitismo e tantos outros problemas diretos ou indiretos. Sabe-se que sementes de girassol e amendoim são normalmente contaminadas com aflatoxinas, ou seja, toxinas produzidas por fungos que crescem naturalmente nas sementes. Em longo prazo, as aflatoxinas podem causar degeneração e mesmo tumores no fígado. Além disso, essas sementes são ricas em gordura, que podem levar ao aparecimento de aterosclerose, ou seja, a deposição de colesterol nos vasos do coração. Outros alimentos usualmente fornecidos aos papagaios são pobres em nutrientes. É o caso das frutas, que têm algumas vitaminas, mas são pobres em proteínas, gorduras e outros nutrientes essenciais. O pão e fubá são alimentos ricos em carboidratos (energéticos), mas pobres em nutrientes essências para o crescimento da ave. Filhotes criados com fubá não crescem satisfatoriamente e podem morrer logo nas primeiras semanas de vida.

Então, o que devemos fornecer para os papagaios em cativeiro? Na natureza, a alimentação dessas aves é diversificada e balanceada naturalmente. No cativeiro é muito difícil isso acontecer, pois não dispomos dos mesmos alimentos que as aves encontram na natureza. Outro problema é que no cativeiro as aves acabam tomando gosto por alguns alimentos e rejeitam outros de boa qualidade . Portanto, mesmo que ofereçamos alimentos saudáveis, os papagaios cativos tendem a rejeitar esses alimentos. Outras dificuldades são elaborar cardápios balanceados sem a ajuda de um nutricionista e também a mão-de-obra necessária para preparar alimentos frescos e nutritivos duas vezes ao dia, todos os dias da semana. Assim, se quisermos manter aves sadias, temos que oferecer a elas uma variedade de alimentos frescos e em quantidades corretas. Esses itens incluem legumes semicozidos (feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico), milho, verduras, brotos, frutas (tomate, mamão, maçã, frutas cítricas, frutas de época), cereais, proteína de soja, óleos vegetais, sementes de boa qualidade e em pequena quantidade (girassol, castanhas), proteína animal (queijo magro, ovo cozido), aminoácidos essências, cálcio, vitaminas, minerais e probióticos. Adaptar as aves a esse cardápio variado não é uma tarefa fácil e requer a ajuda de um veterinário ou um zootecnista especialista em nutrição animal. Para resolver esse problema, surgiram as rações balanceadas para psitacídeos, que vêm prontas para uso. A ração peletizada ou extrusada pode ser comparada em seu formato e facilidade de uso às rações para cães, gatos e outros animais domésticos . A ração de papagaios é palatável e contém todos os nutrientes que a ave necessita em doses corretas. Não devemos confundir a ração balanceada com as misturas de sementes, que permite à ave separar os itens alimentares que mais gosta dos que não gosta, tal qual uma criança que separa no seu prato somente o alimento que mais lhe agrada.

As dietas balanceadas para papagaios (tipo ração) são fabricadas no Brasil e podem ser encontradas nas lojas especializadas. Uma boa opção é a ração extrusada Alcon Club Psita Stick, de alta digestibilidade e formulada para atender às necessidades nutricionais de papagaios, araras e outros psitacídeos de médio e grande porte. A ração balanceada reduz o desperdício de alimento, é de uso prático e principalmente, torna as aves bem nutridas e saudáveis. A ração balanceada pode ser a única fonte de alimentação, mas frutas, verduras, sementes e castanhas podem ser oferecidas eventualmente como petiscos eventuais.
Os filhotes de papagaios necessitam de alimentos próprios: ração farelada de alta digestibilidade rica em proteína, aminoácidos essências, vitaminas, cálcio, minerais, probiótico e muitos outros nutrientes . A papinha deve ser fornecida fresca e em temperatura morna.

domingo, 6 de março de 2011

Jabuti Piranga

Jabuti Piranga
Referência: 

http://www.tartarugas.avph.com.br/jabuti.htm


   O Jabuti Piranga ou chelonoidis carbonaria cujo nome em Tupi-Guarani significa "O que come pouco vermelho", é um quelônio terrestre que possui escamas avermelhadas na cabeça e nas patas, as quais deram origem ao seu nome piranga e em inglês Red-footed Tortoise ( Tartaruga de pé vermelho ). Esta espécie é muito parcida com o Jabuti Tinga ( chelonoidis denticulata ) o qual possuí coloração amarelada das escamas das patas e da cabeça, nariz preto, coloração mais clara e maior porte. Pois o jabuti piranga comum atinge cerca de 18 kg.
   A diferença entre as duas espécies não é tão fácil quanto parece, pois existem diversas variações de cores e tamanhos nessas espécies, para uma análise mais precisa é necessário uma observação de certo detalhes que são caracteísticas unicas de cada espécie:
Jabuti piranga                                                                     Jabuti tinga               

            
Escudo gular curto da porção posterior da carapaça. Sutura mediana femoral geralmente mais longa que sutura mediana umeral. Inguinal bastante significante. Pré-frontais pequenas e partidas. Escudo gular curto da porção posterior da carapaça. Sutura mediana umeral geralmente mais longa que sutura mediana femoral. Inguinal bastante insignificante. Pré-frontais alongadas.
Escamas pré frontais
                      
Carapaças
                      
Escudos inguinais
                      
Escudos gular
                      
Jabuti piranga fêmea e Jabuti tinga macho

Observa-se que a carapaça dos pirangas possuí laterais paralelas e o macho de tinga um formato de sino.

   Os jabutis piranga habitam as regiões Nordeste, Centro-oeste, Sudeste e Sul como também em menor ocorrência em outros países sul americanos, onde vivem em ambientes de florestas, campos e caatingas podendo podendo atingir cerca de 100 anos.
   Existe uma grande variação de cor na espécie chelonoidis carbonaria ou Jabuti piranga e dentre elas destacam-se:
   O Jabuti piranga amarelo cuja escamas da cabeça e das patas são amareladas, essa variação atinge maior porte, cerca de 40 kilos e habita o norte da região sudeste e o sul da região Nordeste do Brasil.

   O Jabuti piranga branco que possuí uma coloração de carapaça bem clara, hipomelânica, com escamas vermelhas, laranjas ou amarelas nas patas e na cabeça. São resultados de seleções de animais claros com a intenção de produzir uma variação de coloração mais clara e de acidentes naturais que produziram animais claros por puro acaso.

   O Jabuti piranga de Granada é uma raça menor de Jabuti piranga que se desenvolveu na ilha de Granada. Por serem menores quando adultos, apresentam cores mais contrastantes e vivas que os jabutis piranga comuns.As fotos são de um exemplar de 9 semanas de idade e a ultima foto é de um exemplar de 2 anos de idade dos mesmos pais.

   O Jabuti piranga cabeça de cereja é uma variação muito bonita e um pouco menor de jabuti piranga clássico. Sua cabeça e as escamas das patas são vermelhas ou laranjas. Alguns nascem com carapaças claras com contornos escuros. É encontrado em áreas limitadas, principalmente nos Chacos Paraguaios e no Mato Grosso do Sul.

   O Jabuti piranga de cabeça amarela e pés vermelhos.

   O jabuti piranga vermelho que possuí alta coloração avermelhada é uma linda variação de cor resultante de várias gerações de cruzamentos de exemplares com cores vermelhas que se destacavam ao longo de vários anos.

   O Jabuti piranga híbrido com Jabuti tinga, é o intercruzamento entre as duas espécies de tartarugas terrestres brasileiras, gerando um animal híbrido que possuí grande possibilidade de ser estéril, ou seja, de não conseguir se reproduzir mais. A coloração desses animais híbridos possuem aspectos das duas espécies, propocionando uma beleza exótica.

   O Jabuti piranga preto é resultado de uma alta concentração de pigmentos na pele. A segunda foto mostra um jabuti preto que nasceu de um casal de pais de cores normais, sugerindo que essa coloração escura tem origem em uma anomalia genética chamada hipermelanismo que nunca havia ocorrido no histórico familiar do casal. A pele e a carapaça apresentam cores cinza escuro e preto, o plastrão apresenta coloração alaranjada, na 3 e 4 foto podemos verificar a comparação de cor entre um jabuti comum e um preto, porém seus habitos são idênticos ao jabutis pirangas comuns.

   O Jabuti piranga de carapaça cinza, possuí uma coloração cinza-azulada clara substituindo o preto, é uma bela coloração atingida com padrões claros de laranja e vermelho durante várias gerações.

   O Jabuti piranga mel possuí uma coloração que foi atingida com várias gerações de intercruzamentos de jabutis que apresentassem coloração dourada e alaranjada, vizando esta belíssima coloração.

   O Jabuti piranga albino é gerado pelo gen recessivo do albinismo, o qual proporciona uma total ausência de pigmentos na pele e uma coloração única, totalmente branca. Porém esse fenômeno prejudica o desenvolvimento do animal, pois torna-o hipersensível aos raios solares, sendo necessário cuidados especiais para o seu mantenimento. Por ser o albinismo gerado por um gen recessivo, todos os descendentes de um casal albino serão também albinos.

   A carapaça dos jabutis é uma estrutura óssea formada pelas vértebras do tórax e pelas costelas revestidas com placas córneas que funcionam como uma caixa protetora onde o animal se recolhe quando é perturbado.
   Os Jabutis Piranga são onívoros e alimentam-se de vários tipos de folhas, flores, frutos, verduras e de proteína animal como pequenos vertebrados, minhocas, insetos e carne em menor frequencia ( quando em cativeiro uma vez por semana e com a mesma frequencia é necessário a inclusão no cardápio de suplementos alimentares principalmente cálcio ). Rações bem desenvolvidas, especialmente para Jabutis e de marcas confiáveis, são altamente recomendadas, pois possuem um mix completo de nutrientes, proporcionando um bom crescimento ao animal. A palavra chave na alimentação de jabutis é "diversificação", onde para animais adultos recomenda-se:
    - 85% da dieta deve se basear em vegetais, como: folhas de mostarda, folhas de beterraba, agrião, couve, rúcula, salsa, salsão, brócolis, alface, espinafre, repolho, amora, cenoura, pétalas de rosas, folhas e pétalas de hibiscos, sementes de feijão branco e feijão verde, ervilhas, lentilhas, milho, legumes variados, como a cenoura, beterraba, vagens, abóboras, batata doce, etc. Cada animal deve apresentar preferência por determinados alimentos, porém deve-se sempre variar para garantir uma boa alimentação, deve se ter cuidado com a alface, pois pode causar diarréia.
    -10% da dieta deve ser a base de frutas, como: uva, abacate, maçã, pêra, abacaxi, morango, manga, mamão, melão, banana, tomate, figo, melancia, amora, nectarina, pêssego, etc. Frutas são alimentos compostos de bastante vitaminas e açucares, sendo essencial para uma boa alimentação, porém deve-se evitar excesso de algumas frutas como o mamão, pois pode provocar problemas intestinais e o abacate que é muto gorduroso, sendo novamente importante a variação das frutas oferecidas.
    -5% da dieta deve ser composta de proteína animal, como: ração para tartarugas, suplementos alimentares, carne moída crua, ração de cachorro, ração de gato ( em pequenas quantidades ), ovos cozidos com casca, insetos ( tenébrios monitores, minhocas...), etc. Apesar de apresentar a menor porcentagem na dieta alimentar recomendada, esse é um dos itens mais importantes, em filhotes a falta desses itens podem causar má formação do esqueleto, que por conseqüência, má formação do casco e como resultado, dores para o resto da vida do animal, problemas de locomoção, entre outros.
   Os machos de Jabuti Piranga são em geral maiores que as fêmeas e a partir dos quatro anos de idade já podem ser diferenciados das fêmeas, onde o plastrão ( parte inferior do casco ) é côncavo ( voltado para dentro ) e nas fêmeas é plano ou bem pouco convexo. Em idades inferiores aos 4 anos de idade, os machos ainda não apresentam a concavidade, sendo comumente confundidos com fêmeas.
Fêmea                                                                         Macho          
                           
               
   A reprodução dos jabutis piranga ocorre na primavera e a partir dos 6 anos de idade, quando os machos começam a brigar entre si para acasalar com as fêmeas. Nessas brigas os machos batem seus cascos uns contra os outros e dão mordidas, porém dificilmente essas lutas causam lesões graves. Os machos são territorialistas e costumam brigar sempre que algum outro invade seu território. O macho vencedor ganha o direito de acasalar-se com as fêmeas, durante este processo o macho normalmente vocaliza sons característicos, porém nem sempre as fêmeas aceitam o macho vencedor, sendo então aconselhável mater sempre vários machos, para um grupo de fêmeas, aumentando assim as chances de acasalamento.
   O macho sobe na fêmea (a concavidade de seu plastrão ajuda no equilíbrio) e ele introduz seu pênis (que fica guardado em sua cauda) na cloaca dela. Nesse processo demorado pode ocorrer de o casal caminhar encaixado e como o pênis do macho está em contato com o solo, se o mesmo for abrasivo pode resultar em graves feridas.
   A postura dos ovos ocorre geralmente na terra de Abril a Junho, onde a fêmea cava um buraco e cabeças vermelha e patas vermelhas põe de 1 a 6 ovos, enquanto o cabeça amarela e patas vermelhas põe de 10 a 15 ovos por vez e depois os enterra. Nesse período os machos devem ser separados para não perturbar as fêmeas. Quando os jabutis estão cavando o buraco e encontram dificuldade causada pela terra dura, urinam com intermitência para molhar e facilitar a cavação; o odor da urina atrai o macho e esse monta tentando cruzar, motivo de sua retirada antecipada. A terra úmida e muito sombreada causa podridão dos ovos. A terra deve ser frouxa e de preferência arenosa para facilitar a cavação. No momento da postura as fêmeas procuram camuflar o ninho, fazendo ninhos escondidos embaixo de plantas, folhas, capins. Passado o período da postura o local onde foi posto os ovos deve permanecer sem animais para não compactar o solo, o que dificultaria a saída dos filhotes. Após a postura deve-se verificar se não ficaram ovos para fora dos buracos e enterrá-los na mesma posição ( sem virá-los ) com 5 cm de terra arenosa caso necessário.
   A incubação dura de 24 a 36 semanas ( 6 á 9 mesês ) e normalmente nascem de 5 a 7 jabutizinhos. Na natureza os ovos costumam ser atacados por cobras, lagartos e pequenos mamíferos e ao nascerem também continuam vulneráveis, pois a mãe não cuida de seus filhotes e quando novos seus cascos ainda não são duros e fortes o suficiente e sendo seus maiores predadores as raposas, teiús, cães e gatos selvagens, aves rapineiras e ratos, em cativeiro são geralmente atacados por cães, os quais dependendo do porte possuem força na mordida suficiente para quebrar carapaças.
   As doenças mais comuns apresentadas são: no caso de temperaturas abaixo do ideal podem apresentar pneumonia, manifestada através de secreção nasal e pelo comportamento do animal ficar com a cabeça constantemente elevada. Podem apresentar desprendimento dos escudos córneos da carapaça (deixando exposto o osso) por excesso de umidade que acarreta infecções por fungos ou bactérias. A descalcificação e alteração do formato do casco é comum se mantidos sem iluminação correta. Podem sofrer corrosão do plastrão e conseqüente infecção se mantido em superfícies ásperas. Podem ocorrer também doenças como o prolápso do reto e do pênis (em machos) ou a retenção de ovos (nas fêmeas). Porém as principais doenças estão ligadas a alimentação inadequada que podem favorecer diarréias (excesso de mamão e alface), avitaminoses por oferecimento de alimentos inadequados (pode ocasionar inchaço do globo ocular e raquitismo) e descalcificação por falta de suplemento de cálcio (casco mole, tremedeiras e impossibilidade de deslocamento). Falta de vitamina A causa um mal comum aos Jabutis, olhos inchados e com secreção similar a uma conjuntivite, que pode ser Curada ministrando ao animal vitamina A, que pode ser encontrada nas cenouras ou em complexos vitamínicos. Os olhos devem ser limpos diariamente com água boricada e pomadas oftálmicas podem ser aplicadas ( como por exemplo uma chamada Epizan, é muito importante consultar um veterinário antes de aplicar qualquer medicamento aos seus animais ).
Dados do Quelônio:
Nome: Jabuti Piranga
Nome Científico: chelonoidis carbonaria
Época: Holoceno
Local onde Vive: América do Sul
Peso: Cerca de 18 quilos
Tamanho: 50 centímetros de comprimento
Alimentação: Onívora

Classificação Zoológica
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Chelonia
Subordem: Cryptodira
Família: Testudinidae
Gênero: chelonoidis